16 September 2012

CHEGA DE ESPERA. FELICIDADE JÁ!

por Ana Veet Maya


Estamos sempre esperando por algo...

Quando crianças, esperávamos chegar a adolescência pra fazer aquilo que nossos amigos mais velhos faziam, ir sozinhos no cinema, beijar, namorar, ter o próprio cantinho, começar a falar não pras coisas que não queriamos fazer, debater com nossos pais, encontrar nosso espaço no mundo.

Quando adolescentes, esperávamos ficar adultos, sair da casa dos nossos pais, morar sozinho, viajar pelo mundo, ser independente, ter nosso próprio trabalho pra pagar as nossas contas, explorar, conhecer, viver um grande amor...

Quando adultos, esperamos o sucesso na vida material e amorosa, o aumento de salário pra emplacar aquele projeto sonhado, a vivência de um amor verdadeiro, a construção de um lar, ter uma casa própria e um carro bom que nos leve com mais conforto aonde quisermos.

Esperamos que o mundo reconheça nosso trabalho, nosso empenho, esforço dedicação...

Esperamos o reconhecimento do nosso patrão, dos nossos familiares, dos nossos amigos, dos nossos parceiros...

Quando pais, esperamos que os filhos cresçam, que sejam saudáveis, que sejam bem sucedidos em seus próprios projetos, que sejam felizes, ainda mais do que o fomos.

Quando empregados, esperamos poder progredir, atingir o topo da carreira, fazer com maestria o que nos propusemos e receber dignamente pelo que fizermos.

Quando desempregados, esperamos para breve o melhor emprego que nos trará realização.

Quando estamos sem um par, esperamos ver surgir um novo amor, qualquer bom relacionamento que traga mais movimento, tesão e alegria para a nossa vida solitária e às vezes, monótona.

Mas quando num relacionamento, diariamente esperamos poder ficar mais sozinhos, o momento que o outro se distancie pra que possamos respirar mais livres e sem interferências, esperamos que o outro melhore, que o outro mude, que o outro seja a cada dia mais perfeito, aquele par-perfeito que buscávamos encontrar...

Quando estamos gordos, esperamos que chegue rapidamente a vontade e a disciplina pra fazer aquela dieta e eliminar muitos kilos, esperamos atingir o peso ideal que nos fará mais leves e saudáveis, mais felizes e socialmente aceitos.

Quando estamos muito magros, esperamos chegar a mais nova e potente vitamina do momento, a nova dica, o novo tratamento que nos tornará mais gostosos e em forma aos olhos do nosso espelho e aos olhos do mundo.

Quando estamos com pouco trabalho, esperamos que cheguem logo outras frentes, novas frentes, inúmeras frentes e múltiplos projetos que ocupem mais o nosso tempo e tragam mais prazer e realização, esperamos também mais recursos financeiros pro nosso dia-a-dia.

Quando estamos com muito trabalho, nos sentimos muito exauridos e explorados e esperamos que o trabalho se exploda, que termine de vez, esperamos ter a coragem e queremos acabar com tudo o quanto antes, esperamos conseguir mandar tudo pro inferno e esperamos finalmente poder dormir mais horas e em paz, esperando ser mais livres.

Quando estamos no verão e o sol queima nossas faces, esperamos que chegue o inverno pra usar nossas confortáveis lãs e dormir quentinhos e protegidos, de conchinha com nosso bem.

Quando estamos no inverno, amaldiçoamos o frio e esperamos sentir de novo o calor do sol de verão.

E quando viramos os cinqüenta, 
os sessenta, 
os setenta, 
esperamos que a ciência descubra 
novas formas de prolongar 
nossa existência terrena... 

Esperamos manter saudáveis e equilibrados nosso corpo, mente e alma, esperamos manter nosso vigor e o conhecimento que tenha nos tornado um pouco mais sábios, esperamos manter a nossa consciência e nossa capacidade de raciocínio, esperamos que nossa mente não se degenere tanto como os outros órgãos...

Esperamos enfim 
que a nossa juventude nunca acabe...



No fundo, no fundo, esperamos 
ser imortais...





Será que não estamos demasiadamente nas filas de espera, parados nas estações da vida, esperando o trem da mudança que às vezes pode estar quebrado e nunca chegar?

E esperando, esperando, esperando, vivemos sempre no futuro
sem nos dar conta de que 
o presente, 
zuuuuuuuummmmmmmmmmmmmm, passou!

Ontem nosso corpo era jovem 
e esperávamos a maturidade. 

Hoje somos maduros e esperamos o que? 

A chance de uma próxima vida? . . .


Que tal olharmos a nossa volta, reconhecermos a perfeição do universo, a perfeição desta casca, do corpo que ocupamos neste momento?








Que tal cancelar a preocupação com o nosso futuro
eliminar ou pelo menos baixar as expectativas que nos fazem sentir exaustos e sem energia?



Vamos respirar profundo e relaxar!

Vamos ser e viver com naturalidade e com menos desejos!

Vamos viver integralmente cada segundo, 
cada batida do nosso coração, 
cada respiração.
Vamos amar e abençoar a oportunidade 
que a vida nos dá agora, 
neste minuto, 
já!

Somos todos um!

Chega de espera. Felicidade já!





2 comments:

  1. Muito verdadeiro. Mas a espera é condição do animal-homem. Aquele que voa lá em cima, sobre todas as coisas, deu-nos a cabeça pronta para a sobrevivência, mas torta para a vida. Bom texto, Ana Veet. Bom ânimo. Meu abraço!

    ReplyDelete
  2. Ana, querida... abençoada inspiração, que texto lindo! Esse final chega como "um soco no nosso estômago": "Parece-me que estamos demasiadamente nas filas de espera, sempre parados nas estações da vida, esperando o trem da mudança que parece nunca chegar..." E assim vamos vivendo sempre pela metade, o "quase" de tudo... e quase nada! Seu texto chacoalha a alma, mAninha! E vamos viver e não ter a vergonha de ser feliz! bjs Irani

    ReplyDelete