24 July 2009

Ó DEUS, LIVRAI-ME DAS BOAZINHAS!


Ó DEUS, LIVRAI-ME DAS BOAZINHAS
por Ana Veet Maya
Desde pequena eu sempre duvidava daquelas matronas com cara redonda e com bigode, que me apertavam a bochecha e me diziam cuspindo:  
- Que lindinha!

Algo no ar soava falso, formal, obrigatório e eu detestava!

E os sermões tradicionais que elas davam e que sempre começava por “... menina pode, menina não pode...” ?
Eu rejeitava. Algo em meu peito gritava e me diziaque não era bem assim...

Cresci vendo algumas mulheres falando mal de outras tantas.
Meu pai e minha avó diziam que mulher muito sorridente não era séria e que a gente deveria se "conter".
E eu na minha ingenuidade, percebia que as sorridentes eram bem mais bonitas... 
E depois, quando cresci, percebi que as sorridentes eram bonitas e mais sexy também! 

Talvez, por serem invejadas, eram vítimas da maledicência das outras mulheres que não ousavam tanto quanto elas?

Penso que a "diferença" atraía o olhar e a cobiça de muitos homens. 
E essa atenção feria a autoestima de algumas "esposas", talvez mais carentes por não ter a mesma atenção.
Naquele tempo, a esposa era a "do lar".
O prazer, oras, o prazer o homem buscava na rua...

Eu tinha uma tia que era bem baixinha e amorosa com todos, mas super reprimida pelo marido. 
Ela era tão subserviente que se deixava literalmente fazer de escrava. 
Andava a pé só pra economizar. 
Não comprava nada para ela, só para ele. 
E até mesmo a comida melhor era sempre pra ele. 
Muito contida, nunca se queixava.
Mas bastava estar num evento de família e tomar uma caipirinha, que a vergonha sumia e a língua soltava...
Começava então a brincar com os tios, a elogiar o churrasco e a linguiça do churrasqueiro... 
Eram brincadeiras ingênuas da época mas que revelavam muitos desejos guardados e verdades escondidas...


Enquanto titia economizava e andava a pé, o marido gastava tudo com a amante... 
E todos da família sabiam! 
Aquela verdade velada e disfarçada que ninguém falava na frente, mas falava sempre pelas costas... 

Aqui cabe uma reflexão. 
Parece-me que algumas “esposas” acabam pelo cansaço promovido pelo excesso de atividade e “obrigações”, entregando-se a uma forma de desleixo... Já as supostas “amantes” parecem ter mais disposição e energia e se mostram mais cheirosas, cuidadas e disponíveis... 
O que você acha?

Tinha também uma tia que morava no litoral e que era linda linda.
De todas as que eu conhecia, era a mulher que usava os melhores perfumes, os melhores vestidos, jóias e sapatos de salto alto. 
Usava batom vermelho e vestido bem acinturado.  
Algumas mulheres da família, não tão bonitas, algumas mais gordas, outras que viviam com avental sujo de gordura, conversavam entre si e diziam assim:
- Ela é mulher fácil. Ela é mulher "da vida".

Hoje eu analiso que essa tal fama,  vinha do fato dela ser muito feminina e sexy e atrair a atenção de todos. 
Pela “diferença”, ela pagou esse preço de ficar “mal-falada”.

É muito comum para alguns, dizer que é errado aquilo que não tem, aquilo que cobiça  ou o que não entende.

Enquanto essa tia fazia penteados e usava laquê cheiroso, algumas só podiam usar laquê de “cerveja”, com cheiro ruim e característico...

E ela também tinha lindas bonecas na cama. 
Naquela época eram chamadas de “boneca dorminhoca” e ela tinha de todas as cores.

Num tempo onde nem as crianças tinham muitos brinquedos,fica mais fácil entender a inveja e a maledicência dos que não tinham o que ela tinha... Inclusive, dos que não sentiam o prazer que ela sentia e que mostrava na face sorridente sem pudor!

Eu amava visitá-la.

Podia brincar com as bonecas. 
Ela me passava perfume e me deixava passar batom!

Eu a admirava e pensava: 
- Quando crescer quero ser como ela!

E na escola?
Quem não teve uma amiga da turma do fundão? 
Aquela que todos os professores gostam de chamar e dar bronca e sermão?

Eu também tive! Ela cabulava aulas para ir namorar.
Enquanto a maioria de nós ainda não tinha dado o primeiro beijo, ela já beijava de língua! 
A gente a ouvia extasiada!
Enquanto nós e outras amigas ficávamos no recreio comendo nossos lanches engordativos, ela encontrava um cantinho escondido no pátio da escola, só pra ficar beijando o namorado! 

Ela era tão linda. 
 E ela fazia coisas audaciosas! 
Ela enrolava a saia de uniforme na cintura, só pra ficar curtinha.

Ela nem sabe que assim ousada, inspirou a imaginação de todas nós!

Mas algumas mamães mais medrosas e inexperientes, alertavam as filhas e diziam: 
- Não ande com ela! Ela é má influência, ela é mal-falada!

Interessante. Parece que é mais fácil criticar, julgar e excluir, do que ensinar os filhos a aprender com a diversidade...

E enquanto nós aprendíamos sobre amor, romance e sexualidade lendo as revistas da época, ela aprendia exercitando ao vivo, aproveitando bem a sua meninice e depois, a sua adolescência.

Nesse tempo também aprendi sobre a inveja.

Porque eu via que era comum as minhas amigas menos cuidadas, com pernas sem depilar, falar mal dela e dizer que ela não prestava...

"- Beleza não vai na mesa." Dizia minha avó.

Lembro-me também de uma professora que tive no segundo ano do primário.

As mães comentavam entre si: 
- Não deixe sua filha cair com ela. Ela não presta! Ela tem má-fama!

Hoje eu entendo por quê falavam isso... Essa professora era linda e loira, de cabelos compridos e sempre cheirosos, batom vermelho e sempre muito bem arrumada. Foi uma das mulheres mais carinhosas e femininas que conheci. 

Hoje compreendo por quê a independência e a liberdade dela incomodava tanto às demais mulheres, que ainda não trabalhavam fora e que viviam como secretárias do lar.

Parece-me que muitas vezes é mais fácil criticar e condenar o outro, do que aprender, mudar e ir à luta.

Essa professora era a única que usava delineador nos olhos. 
E puxava um rabinho muito bonito nos cantinhos, o que a deixava muito atraente.

Hoje em dia, ao lembrar dela, tenho certeza que ela sentia prazer! 
Porque naquele tempo quando ninguém ainda sabia o que era orgasmo, ela já falava em sexo e tinha cara de quem acabara de gozar: sempre um sorriso matreiro na face.

Em tempos nos quais poucos sabiam sobre prazer e sexualidade, muito natural que ela fosse discriminada e igualmente “mal-falada”...

Lembrei-me agora daquela amiga de vinte anos, loira, linda, sexy. 
Tão “quente”, tão assanhada, que brincava de se roçar até com o câmbio do carro!
Ela fora mãe ainda muito nova. 
Aos vinte, ainda sentia-se em plena adolescência. 
Com uma filha pequenininha, explorava e tentava aprender com a vida tudo o que pudesse, para ser mais feliz e sentir-se realizada em tudo, inclusive sexualmente.
Afinal, a maternidade precoce acrescentara muitas obrigações na sua jovem vida.

E como ela explorava tudo e tentava de tudo, nem sempre tão cautelosa pra esconder seus atos da sociedade, ela também adquiriu “má fama”.

Parece-me que é comum que algumas mulheres que não tem prazer, nem o sexual, critiquem e condenem quem tenta, quem ousa e investe sem ter medo de mudar.

Afinal o “até que a morte nos separe” ainda está bem grudado na nossa memória católica.

Eu tive um amigo que gostava de falar que mulher não gosta de “homem bonzinho”.

E eu, sempre uma livre-pensadora, pergunto-me se homem gosta de “mulher boazinha”?

Percebo casamentos tradicionais que mantém apenas a “fachada”, enquanto os homens, escondidinhos (ou não tão escondido), buscam prazer e mais alegrias nos braços das amantes, conhecidas por não serem tão “boazinhas”.

E leia-se aqui como “boazinha”, a mulher que fala “sim” em detrimento de seu próprio bem-estar e seu prazer, muitas vezes apenas pra manter  um casamento, para ter ao seu lado um homem "pra chamar de seu"... Um homem que talvez nunca a tenha amado de verdade...
Será?

Penso que quem ama respeita!
Quem ama, entende, não condena, não julga.
Quem ama, soma, faz, pede! Não manda, dá exemplo e compartilha!

Será que vale a pena viver mentindo, enganando a nós mesmas?
Será que é certo o ditado que diz “antes mal acompanhada do que só" ?

Onde está o certo. E onde está o errado?

Mas eu gosto de refletir. 
Somos responsáveis por nosso sim e pelo nosso não.
Podemos aprender com nossas escolhas, acertos e erros.

Não é bom ser "rotulada". O rótulo exclui possibilidades. Desintegra ao invés de somar.

No jogo eterno homem X mulher, muitas que carregam o rótulo de “safadas”, tem a preferência nacional...

Mas muitas vezes a mulher que alguns homens preferem na cama, não será a que ele irá apresentar como “esposa”. Foi assim no passado e continua assim no presente.

As mulheres que conheci no passado e que tinham rótulos de mal-faladas, eram mulheres bonitas, sensuais e mais resolvidas. 

As que tinham fama de “boazinhas”, eram menos femininas, menos cuidadas, menos felizes no casamento e também as mais autoritárias e juízas das outras que estavam com o prazer em dia.

Assim o “sistema” vai perpetuando suas falhas e a maledicência e a inveja parecem nunca ter fim.

Já carreguei e ainda carrego vários rótulos.
Para uns, sou polêmica. Para outros sou ousada. Para outros, mal-falada... hehehe

E você? 
É "boazinha"? É "mal-falada"?


Onde me apresentarem um juízo de valor, questionarei e buscarei a verdade!
Eu só sei que nada sei...
E sigo pela vida sempre uma aprendiz.

Ó Deus! Livrai-me das “boazinhas” !
anaveetmaya

(Ó DEUS, LIVRAI-ME DAS BOAZINHAS - escrito em 2008- Ana Veet Maya)




26 comments:

  1. AnonymousJuly 24, 2009

    Maravilha.... bjbjbjbjbj

    ReplyDelete
  2. AnonymousJuly 24, 2009

    Nossa lembrou da Joaninha ...bj ff

    ReplyDelete
  3. AnonymousJuly 24, 2009

    Não gostei, nem terminei de ler.
    Desculpe, por mais q goste dq vc escreve, achei esse texto muito julgativo, me pareceu um desabafo de alguem inconformado com a própria vida. Talvez um texto exorcisando o passado.
    Agora tô no trampo, assim q der tento ler de novo.
    Bjs

    ReplyDelete
  4. AnonymousJuly 24, 2009

    Caramba Ana!!!
    Sem querer generalizar, acho que vc tem razão...
    Não acho que seja desabafo, pq no fim, entre mulheres, rola muita inveja.
    E essas tais que vc citou são as pires, sempre desarrumadas, sempre queimando a língua em alguém.
    Concordo com vc. Se o preço de sermos nós mesmas é sermos classificadas com adjetivos não muito louváveis...paciência!
    Mas prestem atenção ao ler, é a mais pura realidade .
    PARABÉNS.

    ReplyDelete
  5. Agradeço a todos os comentários. Que universo maravilhoso e complexo esse nosso universo feminino ! Amei de paixão cada linha que li até agora e espero ainda ler mais ! Elaine Tomé, muito grata por ler-me assim com essa profundidade. Sinto-me muito feliz por promover essa reflexão.
    Let's go women !!!
    Nós podemos ser parceiras SIM !
    uhuuuuuuuuuuuuuuuuuuu
    Quero também compartilhar com todos a linda narrativa de TATY . Vão lá ler a história dela:
    http://gatossordidos.wordpress.com/2009/07/25/o-deus-livrai-me-das-mesmices-femininas/#comment-4

    ReplyDelete
  6. AnonymousJuly 25, 2009

    FANTASTIQUE!!!!!!

    me and my MOM sempre fomos apelidadas pela familia do meu PAI ( nordestinos adventistas) de mulheres do mal ( a frente do nosso tempo) ULTRA MODERNAS ( pra nao dizer outra coisa) rs
    Tudo pq minha mae sempre curtiu ROCK, sempre usou calça jeans boca sino com top curto , cabelos louros compridos uma GATA...
    aí era chamada de : P...
    Atualmente, essa familia do meu pai tem um saldo : de 3 abortos( irmã do meu pai) essa mesma irmã do meu pai q julgava minha mae an me tbm...Traí o marido o marido a traí tbm...Os filhos já sao casados, separados e com um historico de revoltas e fofoquinhas familiar. Isso pq eles eram os SANTOS...eu e minha mae : DIABAS de QUINTA...rsrsrs
    - adoro.
    patt baleeira

    ReplyDelete
  7. Oh!
    Elaine primota querida!
    Pra minha infelicidade ese negócio de mãe solteira ainda existe.
    Fala sério...
    Bem rápido pra vcs entenderem:
    Tenho 2 filhos.
    Fui retirar o rg deles no poupa tempo....
    E aí eis o X da questão...Minha filha mais velha não é filha biológica do meu marido, ela tem o pai dela, e temos outro filho , (que é filho do meu marido).
    O sujeito que me entregou os rgs, olhou bem no meio da minha car e perguntou,(isso após ler nos rgs os nomes dos pais e o da mãe), -"vc é a mãe dos 2?"... com um sorriso sarcástico daqueles que te deixam sem graça..
    E eu bocuda respondi:- Não , eles vieram da cegonha!
    Ah !!
    Me poupe! Qeu preconceito besta!
    Fiquei uma verdadeira arara!!!
    E quer saber?
    Quero que esse imbecil seja muito feliz, pois com um conceito tão pobre ele não tem muito pra onde CRESCER.
    E adoro este espaço.
    Adorei o texto da Taty.
    Parabéns!
    Bj!
    Letícia

    ReplyDelete
  8. Ruth SasakiJuly 28, 2009

    Ana, vc acaba de conquistar mais uma fã. Adorei esse texto, não tive tempo de ler os outros, mas o título "berrou meu nome". Apesar de ter nascido em Sampa, qdo fiz 15 anos me mudei para o interior, e lá conheci um mundo onde as pessoas não tinham o que fazer, e ficavam falando da vida de quem queria viver. Foi bom, pq quebrei regras, fiz tudo o que quis, vivi pra caramba, ouvi muito o Manito tocar seu Sax Mágico, e fui muito falada, isso valeu muito a pena,kkkk!
    Pq o que importa é viver plenamente a nossa verdade,estar plena e satisfeita sempre, sem se preocupar com o que os outros estão pensando, e sim, com o que estamos sentindo.
    Eu sempre penso nessa frase: Meninas boazinhas vão pro céu, as más pra onde quiserem ir... EU PREFIRO ESCOLHER ONDE QUERO IR!
    Beijo

    ReplyDelete
  9. Concordo com a Taty , é das boazinhas que eles gostam mais rsrs, com ressalvas é óbvio e ainda bem....e como a Ruth citou acima tem umamusica da REBECCA MATTA que se chama " GAROTAS BOAS VÃO PRO CÉU, GAROTAS MÁS VÃO PRA QUALQUER LUGAR".... já fui pra tantos lugares rsrs Sua cara esse texto Anoca. Beijos

    ReplyDelete
    Replies
    1. Ana "mãos de fada" vivi nessa época e vc relata com perfeição .Te conheço e sei ta sua sinceridade ótimo texto querida parabéns beijaçoooooo

      Delete
    2. Ana "mãos de fada" vivi nessa época e vc relata com perfeição .Te conheço e sei ta sua sinceridade ótimo texto querida parabéns beijaçoooooo

      Delete
  10. Adoreeeeiii Veet! voltei no tempo:)

    ReplyDelete
  11. Ruth !!!! Eu adoro o MANITO !!! O cara AINDA manda muito bem no sax !!!!!

    ReplyDelete
  12. Que delícia de texto, e como autêntica aquariana que sou, viajei, revi histórias lá longe...e já me inspirei. Pq pra mim viver é inspiração e transpiração, se não...não tem graça...grande beijo!!!

    ReplyDelete
  13. HAHAHAHAH! Nunca antes havia visto paus alados!
    Texto bacana e atemporal, Ana. Duvido que isso deixará de ser como é. É da natureza humana apontar e renegar, o que se inveja e o que não se compreende, mesmo que a atitude em questão seja mais benéfica ao autor(a) do que a adotada pelo(a) hipócrita que a descrimina. Para não passar por aqui sem dizer algo que acrescente algo válido de fato a esse comentário, em defesa de nós (H)omens, apreciamos uma mulher consciente de seu corpo, que seja desenvolta sempre, mas mais ainda nos momentos de intimidade e de preferência que não dependa de alcool para tanto. Ressaca moral causa broxação crônica. Portanto, é importante, mais do que qualquer coisa, que a mulher seja bem resolvida sexual, religiosa e moralmente.
    Também quero, já que nenhum de seus leitores o fez, registrar que esse texto pode ser atribuido aos homens com o mesmo peso e qualidade moral que foi concebido para fazê-lo às mulheres, relacionado inclusive à conceitos semelhantes, mas principalmente ao machismo.
    Para finalizar. Exclua-se o diminutivo dos bons e boas entre nós, pois não nos cabe.
    Sigam-me os bons.
    Um beijo, querida!

    ReplyDelete
  14. Richard Stuart !!!! Como eu amo esta vida!!! E quanto mais eu vivo, mais eu amo ! Porque o Universo me contempla com pessoas brilhantes como você! Tão tenras ainda na idade nesta vida (...) e tão maduras, equilibradas !!!! Adorei nosso chat ! E o que precisar, tamojunto mermão! uhuuuuuuuuuuu

    ReplyDelete
  15. Quanto tempo não passo por aqui! E não tinha lido esse texto ainda!
    Por mim,o texto pdia ter um título ligeiramente diferente:"Ó Deus, livrai-me de ser boazinha!" rss
    beijos querida!
    Adoro seus escritos...

    ReplyDelete
  16. Muito bom....

    Quem dera mais pessoas conseguissem abrir a mente e o coração dessa forma.

    O mundo seria um lugar bem melhor e as pessoas seriam mais felizes.

    A gente chega lá...


    Bjosssssssss.

    ReplyDelete
  17. Meu amor, como diria o jargao feminista..
    meninas boas vao para o céu,
    as más para onde quiserem!
    adorei o post! Eu sofri muito bullyng na escola entao demorei muito até me gostar e a gostr ds coiss boas da vida, mas qdo aprendi o valor que isso tinha, entao passei a ser a garota do time da profa joaninha..a garota detestada pelas outras garotas rs...ainda bemm que existem mulheres coo vc para me amr do jeito que eu sou..bitoquinha! Fabi

    ReplyDelete
  18. A sinceridade às vezes machuca. Já está na hora mandar a hipocrisia para o lixo e colocar o ego em seu devido lugar!

    ReplyDelete
  19. De vez em quando passo aqui pra ler o comentários sobre este texto. É impressionante mas é um dos meus MAIS LIDOS!!!! hehehe Beijos a todas e todos amigos e leitores! Feliz 2012!

    ReplyDelete
  20. Adorai o seu texto =),depois lerei com mais calma outros temas abordado em seu blog.Sabe de uma coisa concordo plenamente com o que você escreveu.
    Tenha uma boa tarde

    Danielle-Danny

    ReplyDelete
  21. Adorai o seu texto =),depois lerei com mais calma outros temas abordado em seu blog.Sabe de uma coisa concordo plenamente com o que você escreveu.
    Tenha uma boa tarde

    Danielle-Danny

    ReplyDelete
  22. Agradeço a todos os que postam comentários. Gosto muito dessa interação!!!!! abraços a todos

    ReplyDelete
  23. AnaAraújoJune 09, 2014

    Perfeito! Sintetiza a nossa natureza, e viver com conhecimento e aceitação de si próprio gera saúde, paz e harmonia! Amo essa complexidade!

    ReplyDelete
  24. obrigada pelo comentário, Ana!

    ReplyDelete