13 December 2015

PALAVRÃO & EMOÇÃO

por anaveetmaya

Tem momentos que parece mesmo que somente um bom palavrão expressará autenticamente o que estamos sentindo.

Religiões condenam o uso do palavrão.
Famílias tradicionais também.
Certos professores idem.

Tem pessoas que colocam um "porra" ao final de cada frase.
Outras, utilizam os "a nível de", "tipo assim","né", "tá", "tá entendendo", etc, gorduras da fala que poderiam ser muito bem substituídas pelo uso correto da pontuação, de outros vocábulos, sinônimos e etc.

Se não estudamos, se não lemos, se nossa cultura é pequena assim como nosso rol de palavras e expressões, poderemos incorrer no uso de palavrões, certas expressões e/ou vícios de linguagem. Às vezes fazemos isso até mesmo por "influência da mídia",  porque certas expressões estão sendo muito veiculadas nos meios de comunicação e ficam mais "prontos" e de fácil acesso na nossa mente e bem na ponta da língua.

Se nós usarmos qualquer palavra ou expressão em demasia, nossa fala será muito previsível e bem mais monótona.

Assim, teremos maior dificuldade para encantar e seduzir.
Será mais difícil vender bem o nosso peixe... Não teremos tanto sucesso na comunicação e provavelmente acabaremos segregados a um determinado grupo de amigos ou afins.

Para falar bem, precisamos nos expressar com objetividade e naturalidade.

Para falar com correção, ritmo, fluência, uma linguagem colorida e atraente, devemos conhecer, investir e dosar as palavras, palavrinhas e "palavrões"! Foi pensando assim que o Prof. Marco Antonio Abreu ( o jornalista da KISS FM conhecido como titio Marco Antonio) e eu criamos e ministramos há dez anos o workshop PRA VOCÊ FALAR BEM(http://pravocefalarbem.com/)


E eu, uma livre-pensadora, sou sempre a favor do equilíbrio.

Sou poeta, amo as palavras lindas.  Mas emoção também rima com palavrão... 
Assim, prudência e canja de galinha não podem fazer mal a ninguém.
;)

1 comment: