31 March 2014

Capital Erótico: Quais são as suas armas? Juliana Cordeiro

texto de Juliana Cordeiro

http://papodehomem.com.br/capital-erotico-quais-sao-as-suas-armas/

Há pouco tempo descobri que eu passei muitos anos sem saber lidar com a paixonite dos amigos da adolescência e o ciúmes que eu provocava nas amigas.
Elas estavam sempre invejadas com as declarações e as cartas que eu recebia, viviam me dizendo que eu era ruim por continuar os enganando com meu silêncio.  Em minha inocência de 13 anos (numa época em que ainda existia), eu não queria romper com a amizade deles, mas não estava pronta para para retribuir as paqueras, ainda que secretamente gostasse de ser admirada. Certa vez, houve uma eleição e eu ganhei como a aluna mais bonita e isso me envaidecia, só isso, não havia malícia.
Tive que admitir à contragosto que eu chamava atenção por conta da aparência física, apesar de sempre ter me esforçado para ter um bom desempenho nos estudos e na minha profissão.
Essa é Florence Colgate, uma estudante de 18 anos que foi escolhida, por meio de um concurso, "o rosto feminino mais próximo da perfeição" no Reino Unido
Pela minha timidez, eu sempre achei mais fácil lidar com os homens, e tinha dificuldade em me comunicar, nunca andei em grandes grupos ou procurei ser o centro das atenções. De alguma forma, meus amigos homens sempre foram muito mais gentis comigo do que as amigas que não facilitavam muito minha vida. Nunca me relacionei com nenhum deles, além da amizade, minha única paixão era o vôlei e nem pensava em namorar.
Este assédio todo em volta das minhas “qualidades físicas” fazia com que eu me dedicasse ainda mais aos estudos. Nutria certo preconceito contra meninas que eram apenas bonitas e não tinham conteúdo e para mim era importante ser vista também como inteligente. O fato é que havia algo em mim que exercia fascínio nos meninos e afastava (mesmo contra minha vontade) as meninas.
Hoje entendo o motivo: eu tenho Capital Erótico.
Quando amadureci meu interesse pela moda, percebi que a beleza me fascinava, me tornei consultora de moda e comecei a pesquisar o que estava por trás desse magnetismo exercido por modelos e atrizes além da fortuna que gira em torno da indústria da beleza que pode incluir desde o universo hollywoodiano passando pelas estrelas pornos e atingindo qualquer pessoa comum, bonita ou não.
Outros tipos de atrativos já haviam sido estudados por sociólogos, economistas e pesquisadores do comportamento humano:
1. O capital financeiro: o quanto você tem;
2. O capital humano: o quanto você sabe;
3. O capital social: quem você conhece.
O capital erótico, termo usado pela socióloga inglesa Catherine Halkin, analisa um conjunto de elementos físicos e habilidades sociais que fazem parte do patrimônio de cada pessoa e que apesar de terem sido nomeados apenas agora, sempre existiram e há muito são utilizados, principalmente pela indústria da beleza e do entretenimento. O que poucos notam, admitem ou aprovam é que o Capital Erótico dá vantagem também em muitas outras áreas da vida.
Pense um pouco, quantas pessoas ao seu redor são realmente capazes de te atrair, desviar o seu olhar, te envolver, ganhar naturalmente a sua atenção a ponto de fazer com que você queira se aproximar, saber mais a respeito? Pouquíssimas.
Pessoas atraentes se destacam, são notadas e somos atraídas por elas. E se eu te dissesse que o Capital Erótico (goste ou não) é tão capaz quanto os outros três de abrir portas, conseguir um emprego, mudar de cargo, enriquecer?
O capital erótico é composto de elementos físicos e sociais.
Os elementos físicos são:

1. Beleza rara

Gisele Bündchen
É um elemento estático, que as câmeras podem capturar, uma harmonia de traços faciais e corporais que por sua simetria cria uma impressão agradável e positiva.
Pensem em um menina de nariz grande, alta, muito magra, que anda de um jeito estranho. Agora imaginem que ela é também loira de cabelos levemente ondulados e esvoaçantes e com olhos verdes. Um olheiro conseguiu captar algo além daquela fisionomia incomum. Gisele Bündchen tem um poder de atração inigualável ao caminhar pela passarela e fotografar campanhas publicitárias. Nenhuma outra modelo da história alcançou o patamar de fama e fortuna que lhe são atribuídos.
Ela é camaleoa diante das câmeras, está longe de ter uma beleza comum e seria impossível que uma mulher de 1.85 de altura, loira, linda e magra passasse por qualquer um de nós sem ser percebida. Dizem por aí, que ela pode ser a primeira modelo a atingir a casa do bilhão de dólar.
Ninguém coloca a inteligência dela em cheque. Não é necessário, não é da inteligência que ela vive. É da beleza, do magnetismo e do fascínio que exerce nas pessoas.
Qualquer equipe de RH sabe selecionar, ainda que seja proibido por lei, candidatos ao trabalho de recepção e contato direto com público que tenham esse elemento do Capital Erótico de destaque.

2. Sensualidade

As tchecas sendo, bem, as tchecas
É aquela ginga que Vinícius de Moraes identificou na garota de Ipanema, uma certa mobilidade que instiga o desejo, uma maneira de olhar, caminhar e agir que hipnotiza os outros. Exige movimento para ser capturada.
Lembram da campanha feita por uma cervejaria no twitter das tchecas que viriam ao Brasil? Elas passaram meses preparando o coração de marmanjos de toda internet com frases picantes, vídeos provocadores, trocadilhos sapecas para envolver e cativar os desavisados numa jornada de conquista.
O apelo aparentemente inocente era “brasileiros, nos ajudem!”. Foi uma campanha publicitária de sucesso por um único ponto, a sensualidade das duas era inegável. Fossem duas tchecas sem sal ou açúcar e poucas pessoas teriam se movido fervorosamente naquela direção.

3. Visual

Johnny Depp e seu desleixo minimamente premeditado
Altura, porte, postura aliados aos trajes e estilo na hora de se vestir compõe esse item que se aliam com acessórios como relógios, corte de cabelo, barba, perfumes e maquiagem (para as mulheres). O que é que tem Johnny Depp que faz mulheres suspirarem mundo afora?
Estilo.
Isso fica claro dentro e fora das telas. A escolha de seus personagens é bem detalhista em sua obsessão pelo impacto visual que terá sobre seu público cativo. Quem não se lembra dos memoráveis Edward “mãos de tesoura”, Don Juan de Marco, o Chapeleiro Maluco de Alice, a nova versão de Willy Wonka, Sweeney Todd, Jack Sparrow de Piratas do Caribe e até do vampiro no recém lançado Dark Shadows?
Ele sempre causa furor em cada aparição pública com seu estilo único e irreverente. Não acho que as combinações inusitadas sejam obra do acaso, Johnny Depp parece pensar em cada detalhe do seu traje antes de mostrar a cara e o objetivo é causar impacto. Ele tem personalidade, banca o impacto visual de suas escolha e isso atrai.

4. Sexualidade

Sharon Stone cruza as pernas como quem não quer nada
A confiança que o cafajeste (ou a femme fatale) insinua se apoia na grande capacidade de dar e receber prazer entre quatro paredes. A pegada masculina ou o rebolado feminino aliados à muita criatividade, fôlego e malícia sinalizam uma alta performance. Esse atributo faz parte da intimidade do casal e apenas ali pode ser medido e avaliado com precisão.
É grande a lista de personagens do cinema que foram conhecidos por esse “dom”: Sharon Stone, no filme Instinto Selvagem cumpre bem essa promessa de atrair, domesticar e executar seus parceiros com o sexo “selvagem”. Mickey Rourke, o ex-bonitão de 9 ½ Semanas de Amor, levou a personagem de Kim Besinger à loucura com suas artimanhas sexuais.
Robert Redford no filme Proposta Indecente arrancou suspiros contrariados das mulheres na década de 90 que confessavam resmungando docemente que trocariam de lugar com a personagem de Demi Moore para ter uma noite tórrida de amor com o milionário mesmo sem a proposta de 1 milhão de dólares.
O mito do “teste do sofá” nos dá uma pista de que muitas negociações começam nas paredes frias de grandes empresas e podem terminar exitosamente em lençois secretos. Concordando ou não com a ética implicada nisso ela faz parte do mundo dos negócios.
As habilidades sociais são:

5. Carisma

O Obama é daora, o Obama é descolado
Graça, charme, habilidades na interação com as pessoas, capacidade de fazer as pessoas gostarem de você, sentirem-se confortáveis e felizes na sua presença.
Barack Obama não ganhou as eleições norte-americanas por seu diploma em Harvard. Competência é pré-requisito. Obama tem um aura de simpatia, um sorriso acolhedor, um bom-humor cativante. Se dispõe a dançar em programas de TV, comer hot-dogs em público, assistir jogos de basquete, enfim, agir como cidadão comum.
Isso cria empatia nas pessoas e aproxima, ou seja, por nos identificar à uma pessoa que assume um cargo incomum por meio de atributos ordinários que trazem uma leveza contagiante.
A pessoa carismática causa um fascínio, temos vontade de acompanhar cada passo, gesto e palavra dela com uma adoração cega por sentir algo grandioso.

6. Vivacidade

Hebe Camargo, 80 e sei lá quantos anos de pura vivacidade
Basta um movimento ou misto de interações socias para essa pessoa prender sua atenção por horas, afinal ela une um misto de forma física, energia e bom humor. É aquele cara que todos gostam de ver animando a festa. É aquela pessoa que chega naturalmente e rouba a atenção de todos.
Você não vai poder negar que em algum momento da vida já não quis estar perto daquela mulher idosa de 83 anos, cabelos loiros cheios de laque, com um sotaque interiorano ao som de “Grachinha!”. Hebe Camargo é quase uma unanimidade no que se refere a bem querência.
Alguns podem questionar a qualidade do seu trabalho, mas tudo o que ela conquistou tem muito a ver com sua vitalidade, riso largo e bom humor. Ela é magnética ao falar, tocar e direcionar seu brilho nos olhos e grandes marcas querem emprestar essa vivacidade aos seus produtos e atingir o seu público-alvo. Hebe sempre fez sucesso pelo seu capital erótico, afinal ela também sustenta uma beleza madura invejável.
No mundo do entretenimento, o Capital Erótico desbanca todos os outros.
Agora, pense em um ambiente de trabalho onde todos se vestem mais ou menos de maneira igual, sem criatividade, ou em um ambiente onde uniforme é obrigação. Aquele ou aquela que encontrar uma maneira de se sobressair, ganha ou não destaque? Passa a ser notado (a) ou não?
Quando morei na Itália, deixei uma marca ao dar aulas de inglês para a Polícia Militar Italiana por me destacar das outras três professoras de origem anglo-saxã. O fetiche da mulher brasileira ocasionou uma dezena de homens se pendurando literalmente nas janelas esperando para saber quem era aquela professora simpática e com sorriso largo.
Onde quer que se vá, as pessoas falam do bom gosto estético e das habilidades em se diferenciar. Há que se adequar estilo, personalidade, boa educação e simpatia à competência, até porque beleza e inteligência não são excludentes.
É importante dizer que esses elementos do capital erótico são valorados de forma distinta em culturas diferentes, e em ambientes diversos. Inegável é o fato de que uma pessoa que possui o capital erótico aliado a um dos demais capitais tomar a dianteira.
Os que são muito dotados de outros capitais como a inteligência prodigiosa costumam tratar o capital erótico como um bem “menor”, pois afinal vem de berço e parece sempre associada à futilidade e falta de esforço. Mas o conceito de Capital Erótico deixou claro (ainda que se contrarie o idealismo de alguns) que mesmo a beleza física demanda um trabalho, esforço e aperfeiçoamento constantes.
Se tem alguém aí pensando que é desafortunado por não ter capital erótico e quer romper o preconceito tenho uma boa notícia: Capital Erótico se aprende, se aprimora e se desenvolve. Todos podemos!
Garota urbana, viajante nata (se é que isto é possível), sonhadora incansável, consultora de moda desde pequena, professora, amante da língua e do design italiano, marqueteira, apreciadora do belo em todas as suas formas. Escritora do blog Sem Espartilhos e frequentadora assídua de pizzarias na companhia do namorado.

21 March 2014

QUEM SOMOS NÓS - Olga Mendonça

QUEM SOMOS NÓS?
Olga Mendonça



Quanto mais se estuda a física quântica, mais misteriosa e fantástica ela se torna. 

A física quântica, falando de uma maneira bem simples, é uma física de possibilidades.

São questões pertinentes de como sentimos o mundo em relação a nós. 

Será que existe uma diferença entre o modo de sentirmos o mundo  e  como ele realmente é? 

Todas as épocas e gerações têm suas próprias suposições: O mundo é plano, o mundo é redondo, etc. Existem centenas de suposições que acreditamos ser verdadeiras,
mas que podem ou não ser.
  
Estamos presos à certos preceitos sem saber disso. 
É um paradoxo. 

O materialismo moderno tira das pessoas a necessidade de se sentirem responsáveis por suas vidas, assim como a religião! 

Mas eu acho que se você levar a mecânica quântica a sério, verá que ela coloca a responsabilidade nas nossas mãos e não nos dá  respostas  reconfortantes... 

Por que continuamos recriando a mesma realidade? Por que continuamos tendo os mesmos relacionamentos? Por que continuamos tendo os mesmos empregos repetidamente? 


A ciência moderna nos diz que, o que acontece dentro de nós é que vai criar o que acontece fora. 

Existe uma realidade física que é absolutamente sólida, mas só começa a existir quando colide com outro pedaço de realidade física. 

Como parte desse momento, esse outro pedaço de realidade pode ser você ou eu... 

Filósofos no passado   diziam: "Se eu chutar uma pedra e machucar o meu dedo é real. Estou sentindo, é vívido.“ Mas não quer dizer que é a realidade... Não passa de uma experiência, a percepção dessa pessoa  do que é real.
  
Experimentos científicos nos mostram que se conectarmos o cérebro de um pessoa a computadores e scanners e pedirmos para olharem para determinados objetos, podemos ver certas partes do cérebro sendo ativadas. Se pedirmos para fecharem os olhos e imaginarem o mesmo
 objeto, as mesmas áreas do cérebro se ativarão, como se estivessem vendo os objetos. 

Então os cientistas se perguntam: quem vê os objetos: o cérebro ou os olhos?

O que é a realidade? É o que vemos com nosso cérebro? Ou é o que vemos com nossos olhos? 

A verdade é que o cérebro não sabe a diferença entre o que vê no ambiente e o que se lembra, pois os mesmos neurônios são ativados.

Então devemos nos questionar: O que é realidade?
  
Do jeito que nosso cérebro funciona, só conseguimos ver o que acreditamos ser possível. 

Nós criamos a realidade, de acordo com os padrões de associação que já existem dentro de nós, ou seja, através do condicionamento. 

Então é possível que o mundo todo seja uma grande ilusão da qual  não conseguimos sair para a verdadeira realidade? 

Se estamos ou não vivendo em um grande mundo virtual, é uma pergunta sem uma boa resposta, é um grande problema filosófico...
  
A física quântica calcula apenas possibilidades. 

Em vez de pensarmos nas coisas como possibilidades, temos o hábito de pensar que os objetos que nos cercam, existem sem a nossa contribuição, sem a nossa escolha... 

Você precisa banir essa forma de pensar; e reconhecer que no mundo material - as cadeiras, as mesas, as salas, os tapetes - não são nada além de possíveis movimentos  da consciência.  

E eu estou escolhendo momentos nesses movimentos para manifestar minha experiência atual. 

É algo radical que precisamos compreender, mas é muito difícil, pois achamos que o mundo já existe independente da nossa experiência. 

Mas não é assim, e a física quântica é bem clara.
  
O próprio Heisenberg, depois da descoberta da física quântica, disse que os átomos não são objetos, são tendências. 

Em vez de pensar em objetos, você deve pensar em possibilidades. 

Tudo é possibilidade subconscientemente! 

A todo momento, as pessoas estão afetando a realidade que vemos. 

Mas se elas não afetam a realidade de forma consistente, é porque não acreditam que possam fazê-lo. 

Elas escrevem uma intenção e logo depois a apagam, pois acham que é tolice. "Não consigo fazer isso". Escrevem de novo e apagam.

Se você acreditar com todo o seu ser que pode andar sobre a água, isso acontecerá.  

É como pensamento positivo, que é um conceito maravilhoso. 

Mas geralmente temos uma névoa de pensamento positivo, cobrindo uma enorme massa de pensamento negativo. 

Pensar positivo apenas disfarça o nosso pensamento negativo. 

Quando pensamos em objetos, tornamos a realidade mais completa do que realmente ela é. 

E é aí que você fica preso. 

Ficamos presos na uniformidade da realidade, pois se ela é completa e eu sou insignificante, não posso alterá-la. 

Mas, se a realidade é minha possibilidade  - possibilidade da própria consciência – aí sim, podemos alterá-la ..

No pensamento antigo, não podíamos mudar nada, pois não tínhamos papel na realidade. 

Ela já estava lá, feita de objetos que se moviam de acordo com certas leis. 

A matemática determinava como reagiriam em determinada situação. 

Nós não tínhamos papel algum ... 

Na nova visão quântica , eu escolho a experiência: Dessa forma eu crio minha própria realidade... 

As  pessoas continuam trabalhando, se aborrecendo, almoçando... 

Elas vão para casa e vivem a vida como se nada de especial estivesse acontecendo, pois é assim que se acostumaram;  existe essa incrível mágica bem na sua frente e elas não vêem.



SENTIR VERGONHA - Osho

SENTIR VERGONHA

OSHO

Tudo aquilo de que você sente vergonha, você esconde dentro, no inconsciente. 
Ele penetra mais fundo em seu ser, circula em seu sangue e o manipula a partir dos bastidores.
Se você deseja reprimir, reprima algo belo. 
Nunca reprima algo de que você tenha vergonha, porque tudo o que você reprime entra fundo, e tudo o que você expressa evapora no céu. 
Assim, tudo aqui de que você sentir vergonha, expresse-o, para que você termine com ele. 
Tudo o que for belo, mantenha como um tesouro interior, de tal modo que ele fique a influenciar a sua vida.
Mas fazemos justamente o oposto. 
Tudo o que é belo, insistimos em expressar – na verdade, demasiadamente -, e expressamos mais do que existe. 
Você fica dizendo: "Eu amo, eu amo, eu amo", e pode nem ser tanto. 
Você insiste em suprimir a raiva, o ódio, a inveja, a possessividade, e aos poucos descobre que se tornou tudo o que suprimiu, surgindo uma profunda culpa.
Não há do que ter vergonha; tudo é perfeito como é. 
Não pode haver um mundo mais perfeito do que este. 
Agora mesmo, este momento, é o climax de toda a existência, a verdadeira matriz à volta da qual tudo gira. Nada pode ser mais perfeito; portanto, simplesmente relaxe e desfrute.
Abra suas portas ao sol, ao ar e ao céu. 
Então, um ar fresco estará sempre passando por você, novos raios de sol estarão sempre passando por você. Permita que o tráfego da existência passe através de você. 
Nunca seja uma rua fechada, ou somente a morte e a sujeira se juntarão. 
Abandone todas as noções de vergonha e nunca julgue coisa alguma.
(Osho)

12 March 2014

DOENÇA E SAÚDE - Mestre Beinsa Douno

Doença e saúde - (extraído do livro:

The Master BEINSA DOUNOHealth and Sickness. Sofia: Vsemirno Bialo Bratstvo Publishers, 2002)
(parte 3)
Se deseja ser saudável, trabalhe para livrar o corpo de todas as impurezas e excessos, de todos os depósitos e matéria gordurosa. Se qualquer parte de seu corpo começa a acumular gordura, comece imediatamente um regime espartano.
Seja cálido e cheio de luz como o Sol. Isso expressa uma condição saudável. Seja puro como a Lua. Desfrute das estrelas, que contribuem para o desenvolvimento de seus talentos. Alegre-se por ter a oportunidade de usar a energia delas. Deleite-se porque tudo no mundo funciona para você – jovem filho do Universo que representa o ensinamento prático dos Seres supremos e sensíveis. 
Fique feliz pela saúde de outra pessoa e você próprio se tornará sadio.
A lei é a seguinte: não pense em pessoas doentes – é só isso. Expulse da mente os pensamentos sobre pessoas enfermas. Pense em quem está sadio, na Natureza saudável.
O ser humano de espiritualidade avançada não adoece.
Lembre-se: a saúde depende dos pensamentos e sentimentos. O pensamento correto relaciona-se com a grandiosa lei da Vida.
A pessoa de vontade forte tem saúde. Seu sangue é puro, suas mãos, pernas e costas são saudáveis. Um corpo são é o resultado de uma vontade forte e esclarecida.
É necessário desenvolver a sensibilidade moral. Você só é fisicamente sadio quando tem consciência moral. Os sentimentos morais dão expansão e amplitude ao espírito humano. Geram também um alargamento dos vasos sanguíneos, o que torna a respiração livre e a circulação regular – eliminando as limitações.
Se quer ser saudável, respeite a seguinte norma: mantenha a cabeça fria e os pés, quentes. Na região do plexo solar, conserve sempre certo calor.
As mãos e os pés devem ser cálidos, mas não quentes demais. Existe um tipo de calor agradável: aquele que o faz sentir algo bom ao tocar a mão de alguém. Essa é a temperatura normal do organismo. Se as mãos e os pés se aquecem ou esfriam mais que o necessário, é um mau sintoma. Eles precisam também ser um pouquinho úmidos. Secura ou umidade demasiadas, calor ou frio excessivos são estados anormais do organismo. Para ser sadio, conecte-se em pensamento com pessoas que o sejam, sem problemas ou indisposições.
Quando o homem está plenamente consciente, doença alguma o atinge. Contudo, a mais leve diminuição de consciência, a menor dúvida perturba o equilíbrio do organismo. No estado de consciência integral, o ser humano é imune à negatividade: é coberto por uma capa magnética que o defende da doença e do frio. Então, nenhuma matéria alheia ao organismo consegue penetrá-lo; há um filtro protegendo-o de impurezas.
Cuide do seu nariz. Guarde-o e respeite-o como um órgão sagrado. Quando ele está bem, você é são; os olhos, ouvidos e boca também funcionam bem. Em consequência, os pulmões, coração e estômago estarão em boas condições. Ao contrário, se o nariz tem algum tipo de problema, o organismo gradualmente se desagrega. Cuide desse órgão e não tenha medo. Ele é como um belo pico de montanha, onde são transformadas as energias do organismo. Quem não conhece a importância do nariz não o valoriza como a grande bênção da Vida.
A fim de manter o equilíbrio interno, é necessário ser absolutamente saudável física, espiritual e mentalmente.
Para conservar a harmonia de seu organismo, alimente o cérebro com pensamentos luminosos, o coração com sentimentos puros, os pulmões com ar puro e o estômago com alimento puro e sadio.  
A fim de ser saudável, não perca nem o Calor físico nem o mental.
No mundo físico, o homem precisa manter a temperatura normal de seu organismo – a saúde depende dela.
Quanto maior o tempo em que as imagens, pensamentos e sentimentos permanecem na face humana, mais saudável a pessoa. Os pensamentos e sentimentos são os fios com cuja ajuda o homem tece a trama de sua vida.
As energias que mantêm a Vida são fornecidas por três elementos principais: a Luz, a Vida e o Amor. Isso vale para cada indivíduo. Para sustentar seu organismo, ele pode absorver energia da Luz se conhecer seus princípios; da Vida, se a compreender; e do Amor, se o alimentar. São as três fontes principais das quais o ser humano obtém força, vida e saúde. Tendo-as dentro, ele alcançou a verdadeira felicidade na Terra.
Respirar, pensar e agir adequadamente são bênçãos grandiosas na Vida.
Quem é sadio? Aquele que tem pai e mãe sãos. Os filhos só podem ser saudáveis se os pais o forem também.
O homem moderno precisa familiarizar-se com as leis fisiológicas de seu organismo e saber do que depende sua saúde, assim como a sensibilidade e o pensamento corretos.
Em vez de se ocupar dos estados patológicos do homem, os futuros cientistas deveriam estudar suas condições saudáveis.
As doenças mostram as diferentes maneiras pelas quais nos extraviamos da grandiosa vida Divina e do pensamento verdadeiro.
Seja sadio não apenas em sentido físico, mas também no mental. Quem é mentalmente enfermo? Aquele que se sente insatisfeito, duvida, não controla sua mente, coração e vontade.
Muitas pessoas são doentes. É necessário conhecer a origem de sua enfermidade – se ela é de natureza física, mental ou espiritual. Compreendendo qual é sua gênese, é possível descobrir um meio de curá-la.
As doenças são dadas às pessoas para que adquiram humildade. Cada moléstia é uma tarefa específica, que o discípulo tem de resolver. Ele deve encarar cada uma delas como um privilégio especial.  
Se uma doença o atinge, não fique com medo, mas aplique o Amor em sua vida. Ele cura todos os tipos de enfermidades. Considere a doença como uma bênção que lhe é dada para que você se desenvolva.
As doenças são um barômetro. Com a ajuda delas, você avalia o que alcançou e o que ainda lhe falta. Enquanto está doente, agradeça a Deus e ore para que Ele o ajude a compreender suas insuficiências. As doenças representam o lado negativo de sua vida atualmente. Um dia, quando você as administrar, chegará ao lado positivo da Vida.
Não existe nenhuma pessoa absolutamente sã na Terra.
É necessário, mesmo para as pessoas mais saudáveis, que fiquem doentes. A enfermidade é harmonizadora. Quando Deus deseja tornar as pessoas mais sensíveis e ternas, elas passam por uma moléstia. As melhores pessoas sofreram de doenças. Quando você adoece, não pense nisso como uma desgraça.
Em seu corpo atual, é inevitável ficar doente. Para lidar com a doença, você precisa transformar seu corpo.
A lei é a seguinte: quando o corpo sofre, é para benefício da alma.

9 March 2014

O ORGULHO

por Ana Veet Maya

Se olhamos para o lado e julgamos um companheiro de jornada menos inteligente, estamos sendo orgulhosos.

Temos a tendência de minimizar nossos defeitos, fingir que eles não existem, aceitar a nossa imagem.

Mas no outro...

No outro é mais fácil apontar e identificar a feiúra e o defeito, a falta de classe, de saber e de “berço”... 

Somos generosos na nossa auto-crítica. Muitas vezes nos consideramos elegantes e pensamos estar na moda.

Mas e o outro?

Ah... o outro...

O outro é burro, brega, aparecido, vulgar, feio e fedido, oportunista, mal-amado, tem inveja de você, não te compreende e o que é pior: - o outro quer te prejudicar! Sempre!

Eis aí um exemplo típico de orgulho: quando valorizamos demais a nossa opinião e o nosso saber, em detrimento do saber e do valor do outro.

O orgulhoso parece gostar muito de valorizar a si, a seus pares, familiares e íntimos... 

Mas quando é o outro quem triunfa, o orgulhoso diz que foi pura sorte e que não foi merecimento... Ou, pior ainda, ele diz que o outro triunfou porque foi corrupto e conseguiu ter sucesso, roubando.

Mas como contrariar o orgulhoso? O orgulhoso está sempre certo!

É ele quem encontra os caminhos melhores.

Os projetos dele são os mais audaciosos e modernos.

E a palavra final cabe sempre a ele. Claro.

Politicamente "correto" e sempre manipulador, o orgulhoso diz que não lhe interessa vencer...
Mas declaradamente ou nas sombras, ele está sempre disputando, tentando ser o melhor, aparecer mais, mostrar para o mundo o quanto ele é eficiente e magnânimo e cheio de sucesso. 

E, infelizmente, o orgulhoso mente. Como mente!
Ele mente tanto que ele mesmo crê na mentira que criou...

E o orgulhoso não estende a mão por caridade. Nunca por benevolência.
Quando ajuda, ele o faz por interesse, para mostrar o quanto é bom e por pensar que no futuro, poderá tirar alguma vantagem...

É comum vermos fotografias de orgulhosos fazendo a caridade e se deixando fotografar pelos puxa-sacos. Orgulhosos tem uma tendência a carregar uma fila de aduladores e "fãs"... 

Para manter o orgulho em alta, ele precisa aparecer de qualquer forma. 
Necessita ser notado e aprovado o tempo todo.
As palavras são usadas como aliadas
Afinal, o silêncio o colocaria de escanteio... 

O orgulhoso necessita falar e se posicionar, brilhar, mostrar o seu melhor ângulo, chamar a atenção sobre sua verdade, e, de preferência, evidenciando as falhas alheias, lógico.

Ele valoriza o próprio saber, os seus cursos, diplomas e seu MBA. 

Dificilmente reconhece o saber do outro, subjugando a escola da vida em que seu amigo se formou.

O orgulhoso adora citar frases célebres, indicar as fontes, citar os livros que leu e está lendo, mostrar seu conhecimento aprendido e tão científico e atualizado.

Já o conhecimento do outro é bem mais primitivo... Instintivo, talvez... Aprendido na família e na vida comum que o outro leva.

A vida do orgulhoso é muito corrida e ele tem pouco tempo.

Dificilmente poderá parar pra te ouvir...

Porque o orgulhoso está muito engajado com as novas e nobres causas, os novos projetos...
Tudo na vida do orgulhoso é mais importante do que na vida do outro.

E a dor do orgulhoso? Ah... A dor dele dói de verdade.
A dor do outro é chilique, histeria, exibicionismo, caso pra psiquiatria...

Seja lá o que for que o orgulhoso compartilhar, ele julgará fenomenal, enriquecedor e que irá ajudar o mundo, tornando a Terra e o Universo melhores.

E o que o outro compartilha?
Ah... O outro... O que o outro compartilha está superado. Ele copiou de alguém...
Porque o outro não fala com suficiente evidência empírica... 
O outro fala balelas, sem começo, meio e fim... E fala com vícios de linguagem, erros gramaticais,  sem lógica e sem fundamento...

E sabia que o orgulhoso não pede desculpas?
Pelo menos, nunca pede desculpas com sinceridade.
Se e quando pedir desculpas, o fará por estratégia. 
Como num jogo, ele retrocederá uma casa para depois avançar duas...

O orgulhoso pode mesmo ser um bom manipulador.

Se inteligente, o orgulhoso passará pela vida disfarçando-se de bom, honesto e coerente.

E por não desenvolver a amorosidade e a compreensão, o orgulhoso não se cercará de amigos verdadeiros e do bem.

Infelizmente o orgulhoso, através da sua auto-suficiência, sua vaidade e arrogância, acabará por repelir os amigos sinceros, cansados de tanta sandice...

Para disfarçar, o orgulhoso tem "facilidade" de dispensar as pessoas, como quem descarta uma roupa suja. Ele afirma que não precisa de ninguém, que faz tudo sozinho.
E quando vê um amigo partir, ele afirma: - Nunca foi mesmo meu amigo!

E assim, sempre justificando os próprios erros e culpando "os outros", sem amar e sem compartilhar amor, o orgulhoso terá uma grande chance de se tornar um verdadeiro solitário...

Para disfarçar, se for bem sucedido financeiramente, o orgulhoso poderá ostentar obras beneméritas, dinheiro e a fama...

Cabe a nós o "orar e vigiar"!
Porque o orgulho nos deixa cegos à verdadeira beleza e nos mantém presos à aparência e a tudo o que é material.

É muito difícil a gente se auto-analisar e se reconhecer orgulhoso...
E ter consciência do que somos é o primeiro passo para mudança!

Estamos aqui na vida sempre aprendendo, modificando e, um dia após o outro, se Deus quiser, evoluindo!

E quando descobrimos um erro, devemos trabalhar verdadeiramente e com afinco para nos aprimorar!

Reconhecer um erro é fazer diferente, é pedir desculpas com o coração, é aceitar a opinião do outro, é mudar um hábito, um comportamento!

Enxergar, reconhecer, valorizar e promover a grandeza e a beleza de cada um e de todos nós, nos coloca nos portões de entrada da escola da humildade.

E a humildade é show!

Bora aprender?

(TEXTO: O ORGULHO, por anaveetmaya)