30 August 2011

TITIO MARCO ANTONIO & ANAVEETMAYA: PRA VOCÊ FALAR BEM!

Inscrições: cursos@cameracao.com

COLESTEROL

Olá amigos! Saúde a todos!

Costumo receber vários e-mails, alguns muito valiosos, como os que recebo de meu querido mestre Prashanto.

Sempre quis escrever sobre essa maldição que parece nos perseguir: o colesterol.

Eu mesma, que nunca havia tido qualquer problema, num momento de muito estresse vi a bandida taxa de colesterol aumentar! Justo eu, que não como gorduras e faço exercícios!

Atendo a muitas pessoas bastante magras e com taxas de colesterol altíssimas. Pessoas que não ingerem gorduras e, ainda assim, tem problemas imensos e não conseguem baixar a taxa... Atendo também pessoas bastante obesas, que não tem a taxa do colesterol alta.

Isso sempre me deixou encafifada.

Recomendo uma alimentação balanceada, natural, rica em fibras, muita água e exercícios.

E não tem mesmo como fugir disso, gente!

Pra baixar nossa taxa de colesterol, vamos dizer adeus aos bolos doces e deliciosos, a farinha branca, aos prazerosos, mas terríveis, carbohidratos! E dá-lhe exercícios! Temos que enfrentar e fazer tudo isso, se quisermos viver mais e com qualidade de vida sempre!

Não sou médica, sou apenas uma terapeuta que trabalha com comunicação e qualidade de vida.

Gostei demais do e-mail que recebi do Prashanto, com o texto do Dr. Dwight Lundell e assim, resolvi compartilhar!

"Dr Lundell é ex-Chefe de Gabinete e Chefe de Cirurgia no Hospital do Coração Banner, Mesa, Arizona. Sua prática privada, Cardíaca Care Center foi em Mesa, Arizona. Recentemente, Dr. Lundell deixou a cirurgia para se concentrar no tratamento nutricional de doenças cardíacas. Ele é o fundador da Fundação Saúde dos Humanos, que promove a saúde humana com foco na ajuda às grandes corporações promover o bem estar. Ele é o autor de "A Cura para a Doença Cardíaca e A Grande Mentira do Colesterol".

Agradeço ao mestre Prashanto por compartilhar sempre o melhor com todos nós da Escola de Mistérios.

A mim, o texto esclareceu muito.

Espero que também esclareça a você, querido leitor!

Paz e luz!
Ana Veet Maya

Colesterol não é o inimigo que você foi induzido a crer 1/6/2011



Cirurgião Cardíaco admite enorme erro!
Por Dr. Lundell Dwight, MD

Nós os médicos com todos os nossos treinamentos, conhecimento e autoridade, muitas vezes adquirimos um ego bastante grande, que tende a tornarmos difícil admitir que estamos errados. Então, aqui está. Admito estar errado...

Como um cirurgião com experiência de 25 anos, tendo realizado mais de 5.000 cirurgias de coração aberto, hoje é meu dia para reparar o erro de médicos com este fato científico.Eu treinei por muitos anos com outros médicos proeminentes rotulados como "formadores de opinião." Bombardeado com a literatura científica, sempre participando de seminários de educação, formuladores de opinião que insistiam que doença cardíaca resulta do fato simples dos elevados níveis de colesterol no sangue.

A terapia aceita era a prescrição de medicamentos para baixar o colesterol e uma severa dieta restringido a ingestão de gordura. Este último é claro que insistiu que baixar o colesterol e doenças cardíacas. Qualquer recomendação diferente era considerada uma heresia e poderia possivelmente resultar em erros médicos.

Ela não está funcionando! Estas recomendações não são cientificamente ou moralmente defensáveis. A descoberta, há alguns anos que a inflamação na parede da artéria é a verdadeira causa da doença cardíaca é lenta, levando a uma mudança de paradigma na forma como as doenças cardíacas e outras enfermidades crônicas serão tratados.

As recomendações dietéticas estabelecidas há muito tempo ter criado uma epidemia de obesidade e diabetes, cujas consequências apequenam qualquer praga histórica em termos de mortalidade, o sofrimento humano e terríveis consequências econômicas.

Apesar do fato de que 25% da população tomar caros medicamentos a base de estatina e, apesar do fato de termos reduzido o teor de gordura de nossa dieta, mais americanos vão morrer este ano de doença cardíaca do que nunca. Estatísticas do American Heart Association, mostram que 75 milhões dos americanos atualmente sofrem de doenças cardíacas, 20 milhões têm diabetes e 57 milhões têm pré-diabetes. Esses transtornos estão a afetar pessoas cada vez mais jovens em maior número a cada ano.

Simplesmente dito, sem a presença de inflamação no corpo, não há nenhuma maneira que faça com que o colesterol se acumule nas paredes dos vasos sanguíneos e cause doenças cardíacas e derrames. Sem a inflamação, o colesterol se movimenta livremente por todo o corpo como a natureza determina. É a inflamação que faz o colesterol ficar preso.

A inflamação não é complicada - é simplesmente a defesa natural do corpo a um invasor estrangeiro, tais como toxinas, bactéria ou vírus. O ciclo de inflamação é perfeito na forma como ela protege o corpo contra esses invasores virais e bacterianos. No entanto, se cronicamente expor o corpo à lesão por toxinas ou alimentos no corpo humano, para os quais não foi projetado para processar, uma condição chamada inflamação crônica ocorre. A inflamação crônica é tão prejudicial quanto a inflamação aguda é benéfica.

Que pessoa ponderada voluntariamente exporia repetidamente a alimentos ou outras substâncias conhecidas por causarem danos ao corpo? Bem, talvez os fumantes, mas pelo menos eles fizeram essa escolha conscientemente. O resto de nós simplesmente seguia a dieta recomendada correntemente, baixa em gordura e rica em gorduras poli-insaturadas e carboidratos, não sabendo que estavam causando prejuízo repetido para os nossos vasos sanguíneos. Esta lesão repetida cria uma inflamação crônica que leva à doença cardíaca, diabetes, ataque cardíaco e obesidade.

Deixe-me repetir isso. A lesão e inflamação crônica em nossos vasos sanguíneos é causada pela dieta de baixo teor de gordura recomendada por anos pela medicina convencional.

Quais são os maiores culpados da inflamação crônica? Simplesmente, são a sobrecarga de simples carboidratos altamente processados ​​(açúcar, farinha e todos os produtos fabricados a partir deles) e o excesso de consumo de óleos ômega-6 (vegetais como soja, milho e girassol), que são encontrados em muitos alimentos processados.

Imagine esfregar uma escova dura repetidamente sobre a pele macia até que ela fique muito vermelho e quase sangrando. Faça isto várias vezes ao dia, todos os dias por cinco anos. Se você pudesse tolerar esta dolorosa escovação, você teria um sangramento, inchaço e infecção da área, que se tornaria pior a cada lesão repetida. Esta é uma boa maneira de visualizar o processo inflama tório que pode estar acontecendo em seu corpo agora.

Independentemente de onde ocorre o processo inflamatório, externamente ou internamente, é a mesma. Eu olhei dentro de milhares e milhares de artérias. Na artéria doente parece que alguém pegou uma escova e esfregou repetidamente contra a parede da veia. Várias vezes por dia, todos os dias, os alimentos que comemos criam pequenas lesões compondo em mais lesões, fazendo com que o corpo responda de forma contínua e adequada com a inflamação.

Enquanto saboreamos um tentador pão doce, o nosso corpo responde de forma alarmante como se um invasor estrangeiro chegasse declarando guerra. Alimentos carregados de açúcares e carboidratos simples, ou processados ​​com óleos omega-6 para durar mais nas prateleiras foram a base da dieta americana durante seis décadas. Estes alimentos foram lentamente envenenando a todos.

Como é que um simples bolinho doce cria uma cascata de inflamação fazendo-o adoecer?

Imagine derramar melado no seu teclado, ai você tem uma visão do que ocorre dentro da célula. Quando consumimos carboidratos simples como o açúcar, o açúcar no sangue sobe rapidamente. Em resposta, o pâncreas segrega insulina, cuja principal finalidade é fazer com que o açúcar chegue em cada célula, onde é armazenado para energia. Se a célula estiver cheia e não precisar de glicose, o excesso é rejeitado para evitar que prejudique o trabalho.

Quando suas células cheias rejeitarem a glicose extra, o açúcar no sangue sobe produzindo mais insulina e a glicose se converte em gordura armazenada.

O que tudo isso tem a ver com a inflamação? O açúcar no sangue é controlado em uma faixa muito estreita. Moléculas de açúcar extra grudam-se a uma variedade de proteínas, que por sua vez lesam as paredes dos vasos sanguíneos. Estas repetidas lesões às paredes dos vasos sanguíneos desencadeiam a inflamação. Ao cravar seu nível de açúcar no sangue várias vezes por dia, todo dia, é exatamente como se esfregasse uma lixa no interior dos delicados vasos sanguíneos.

Mesmo que você não seja capaz de ver, tenha certeza que está acontecendo. Eu vi em mais de 5.000 pacientes que operei nos meus 25 anos que compartilhavam um denominador comum - inflamação em suas artérias.

Voltemos ao pão doce. Esse gostoso com aparência inocente não só contém açúcares como também é cozido em um dos muitos óleos omega-6 como o de soja. Batatas fritas e peixe frito são embebidos em óleo de soja, alimentos processados ​​são fabricados com óleos omega-6 para alongar a vida útil. Enquanto ômega-6 é essencial - e faz parte da membrana de cada célula controlando o que entra e sai da célula - deve estar em equilíbrio correto com o ômega-3.

Com o desequilíbrio provocado pelo consumo excessivo de ômega-6, a membrana celular passa a produzir substâncias químicas chamadas citocinas, que causam inflamação.Atualmente a dieta costumeira do americano tem produzido um extremo desequilíbrio dessas duas gorduras (ômega-3 e ômega-6). A relação de faixas de desequilíbrio varia de 15:1 para tão alto quanto 30:1 em favor do ômega-6. Isso é uma tremenda quantidade de citocinas que causam inflamação. Nos alimentos atuais uma proporção de 3:1 seria ideal e saudável.

Para piorar a situação, o excesso de peso que você carrega por comer esses alimentos, cria sobrecarga de gordura nas células que derramam grandes quantidades de substâncias químicas pró-inflamatórias que se somam aos ferimentos causados por ter açúcar elevado no sangue. O processo que começou com um bolo doce se transforma em um ciclo vicioso que ao longo do tempo cria a doença cardíaca, pressão arterial alta, diabetes e, finalmente, a doença de Alzheimer, visto que o processo inflamatório continua inabalável.

Não há como escapar do fato de que quanto mais alimentos processados e preparados consumirmos, quanto mais caminharemos para a inflamação pouco a pouco a cada dia. O corpo humano não consegue processar, nem foi concebido para consumir os alimentos embalados com açúcares e embebido em óleos omega-6.

Há apenas uma resposta para acalmar a inflamação, é voltar aos alimentos mais perto de seu estado natural. Para construir músculos, comer mais proteínas. Escolha carboidratos muito complexos, como frutas e vegetais coloridos. Reduzir ou eliminar gorduras omega-6 causadoras de inflamações como óleo de milho e de soja e os alimentos processados ​​que são feitas a partir deles. Uma colher de sopa de óleo de milho contém 7.280 mg de ômega-6, de soja contém 6.940 mg. Em vez disso, use azeite ou manteiga de animal alimentado com capim.As gorduras animais contêm menos de 20% de ômega-6 e são muito menos propensas a causar inflamação do que os óleos poli-insaturados rotulados como supostamente saudáveis.

Esqueça a "ciência" que tem sido martelada em sua cabeça durante décadas. A ciência que a gordura saturada por si só causa doença cardíaca é inexistente. A ciência que a gordura saturada aumenta o colesterol no sangue também é muito fraca. Como sabemos agora que o colesterol não é a causa de doença cardíaca, a preocupação com a gordura saturada é ainda mais absurda hoje.

A teoria do colesterol levou à nenhuma gordura, recomendações de baixo teor de gordura que criaram os alimentos que agora estão causando uma epidemia de inflamação.

A medicina tradicional cometeu um erro terrível quando aconselhou as pessoas a evitar a gordura saturada em favor de alimentos ricos em gorduras omega-6. Temos agora uma epidemia de inflamação arterial levando a doenças cardíacas e a outros assassinos silenciosos.

O que você pode fazer é escolher alimentos integrais que sua avó servia (frutas, verduras, cereais, manteiga, banha de porco) e não aqueles que sua mãe encontrou nos corredores de supermercado cheios de alimentos industrializados. Eliminando alimentos inflamatórios e aderindo a nutrientes essenciais de produtos alimentares frescos não-processados, você irá reverter anos de danos nas artérias e em todo o seu corpo causados pelo consumo da dieta típica americana.

O ideal é voltarmos aos alimentos naturais e muito trabalho físico (exercícios).


28 August 2011

DIZER PALAVRÕES ALIVIA A DOR?

por Ana Veet Maya

Olá amigos!

Há tempos trabalho com comunicação e gosto de pensar sobre o que se está falando e o motivo pra estarmos falando deste ou daquele jeito.

Basta uma nova expressão inteligente ou divertida ser falada num programa de humor, numa novela ou no rádio e pronto! Já virou palavra usada no dia-a-dia.

Basta uma propaganda se superar em criatividade, para que comecemos a cantar o jingle da campanha...

Somos indivíduos, somos "únicos", mas gostamos dessa identificação com o todo, com as massas!

Às vezes mesmo criticando os efeitos da mídia na nossa formação, acabamos por ceder aos seus encantos!

Eu venho aprendendo a cada dia sobre a aceitação e a dizer não ao julgamento. Mas tem coisas que ainda me incomodam, como por exemplo, o uso do palavrão em excesso.

Quando entro numa sala-de-aula e começo um bate-papo informal com os alunos, já nas primeiras frases, dá pra ter uma impressão dos obstáculos que terei que superar, só pelas expressões e palavrões que ouvi logo de cara... São muitos palavrões, gírias e expressões idiomáticas.

Fui funcionária pública e trabalhei na Assistência Social e na Secretaria da Saúde por muitos anos. O período que trabalhei com esses amigos, foi o tempo que mais ouvi "porra e caralho". E fiquei espantada ao perceber que mesmo sendo poeta, o porra e o caralho começaram a fazer parte do meu vocabulário! Isso me deu a "consciência" do quanto eu era igualmente influenciada pelo grupo!

Custei a eliminar esse "vício", mas consegui.

Já postei o artigo de Veríssimo sobre o DIREITO AO PALAVRÃO e aqui divido com vocês o artigo que fala sobre o efeito terapêutico do palavrão: Os cientistas britânicos afirmam que o palavrão tem o poder de aliviar a dor!

Bem, eu prefiro a beleza da palavra.

Mas sei que muitas vezes mascaramos nossos sentimentos, engolimos sapos e ficamos tão enfezados...

Então, mil vezes manifestar a raiva e ter consciência dela, do que ficar bloqueado, guardá-la e deixar que vire doença.

O que você pensa?
Abração a todos e segue o artigo:
anaveetmaya

"Dizer palavrões alivia mesmo a dor
Um grupo de investigadores britânicos chegou à conclusão que a tendência para dizer palavrões em caso de dor não se trata de falta de educação mas sim de um alívio real
14:59 Terça feira, 19 de Abr de 2011
O estudo, conduzido por investigadores da Universidade britânica de Keele, concluiu, no entanto, que o ato de praguejar alivia mais quem normalmente não o faz.


Para provar a sua teoria, a equipa de Richard Stephens usou um grupo de alunos voluntários, a quem foi pedido que submergissem os braços num recipiente com água gelada, enquanto diziam um palavrão. A experiência foi depois repetida, mas aos voluntários foi pedido que dissessem uma palavra "correta".


No final, concluiu-se que os jovens foram capazes de manter os braços dentro da água gelada mais tempo enquanto diziam o palavrão."




Ler mais: http://aeiou.visao.pt/dizer-palavroes-alivia-mesmo-a-dor=f599370#ixzz1WK4JmyBV



27 August 2011

O DIREITO AO PALAVRÃO

O texto "O DIREITO AO PALAVRÃO" corre na Internet como sendo de autor desconhecido ou de Millor Fernandes. Não! Este texto é de Luís Fernando Veríssimo.

Tem momentos que parece mesmo que somente um bom palavrão expressará autenticamente o que estamos sentindo.

Religiões condenam o uso do palavrão.
Famílias tradicionais também.
Certos professores idem.

Tem pessoas que colocam um "porra" ao final de cada frase.
Outras, utilizam os "a nível de", "tipo assim","né", "tá", "tá entendendo", etc, gorduras da fala que poderiam ser muito bem substituídas pelo uso correto da pontuação, de outros vocábulos, sinônimos e etc.

Se não estudamos, se não lemos, se nossa cultura é pequena assim como nosso rol de palavras e expressões, poderemos incorrer no uso de palavrões, certas expressões e/ou vícios de linguagem. Às vezes fazemos isso até mesmo por "influência da mídia",  porque certas expressões estão sendo muito veiculadas nos meios de comunicação e ficam mais "prontos" e de fácil acesso na nossa mente e bem na ponta da língua.

Se nós usarmos qualquer palavra ou expressão em demasia, nossa fala será muito previsível e bem mais monótona.

Assim, teremos maior dificuldade para encantar e seduzir.
Será mais difícil vender bem o nosso peixe... Não teremos tanto sucesso na comunicação e provavelmente acabaremos segregados a um determinado grupo de amigos ou afins.

Para falar bem, precisamos nos expressar com objetividade e naturalidade.

Para falar com correção, ritmo, fluência, uma linguagem colorida e atraente, devemos conhecer, investir e dosar as palavras, palavrinhas e "palavrões"! Foi pensando assim que o Prof. Marco Antonio Abreu ( o jornalista da KISS FM conhecido como titio Marco Antonio) e eu criamos e ministramos há dez anos o workshop PRA VOCÊ FALAR BEM(www.cameracao.com)


E eu, uma livre-pensadora, sou sempre a favor do equilíbrio.

Sou poeta, amo palavras lindas. Mas às vezes uso palavrão... ;)

Aqui está o texto de Luís Fernando Veríssimo:

Abraços a todos!

Anaveetmaya

O DIREITO AO PALAVRÃO


Os palavrões não nasceram por acaso.
São recursos extremamente válidos e criativos para prover nosso vocabulário de expressões que traduzem com a maior fidelidade, nossos mais fortes e genuínos sentimentos.
É o povo fazendo sua língua.
Como o Latim Vulgar, será esse Português vulgar que vingará plenamente um dia.
Sem que isso signifique a "vulgarização" do idioma, mas apenas sua maior aproximação com a gente simples das ruas e dos escritórios, seus sentimentos, suas emoções, seu jeito, sua índole.
"Pra caralho", por exemplo.
Qual expressão traduz melhor a idéia de muita quantidade do que "Pra caralho"?
"Pra caralho" tende ao infinito, é quase uma expressão matemática.
A Via-Láctea tem estrelas pra caralho, o Sol é quente pra caralho, o universo é antigo pra caralho, eu gosto de cerveja pra caralho, entende?
No gênero do "Pra caralho", mas, no caso, expressando a mais absoluta negação, está o famoso "Nem fodendo!".
O "Não, não é não!" e tampouco o nada é eficaz e já sem nenhuma credibilidade "Não, absolutamente não" o substituem.
O "Nem fodendo" é irretorquível, e liquida o assunto.Te libera, com a consciência tranqüila, para outras atividades de maior interesse em sua vida.
Aquele filho pentelho de 17 anos te atormenta pedindo o carro pra ir surfar no litoral?
Não perca tempo nem paciência.
Solte logo um definitivo "Marquinhos, presta atenção, filho querido, NEM FODENDO!".
O impertinente se manca na hora e vai pro Shopping se encontrar com a turma numa boa e você fecha os olhos e volta a curtir o CD do Lupicínio.

Por sua vez, o "porra nenhuma!" atendeu tão plenamente as situações onde nosso ego exigia não só a definição de uma negação, mas também o justo escárnio contra descarados blefes, que hoje é totalmente impossível imaginar que possamos viver sem ele em nosso cotidiano profissional.
Como comentar a gravata daquele chefe idiota senão com um "é PhD porra nenhuma!", ou "ele redigiu aquele relatório sozinho porra nenhuma!
O "porra nenhuma", como vocês podem ver, nos provê sensações de incrível bem estar interior.
É como se estivéssemos fazendo a tardia e justa denúncia pública de um canalha.
São dessa mesma gênese os clássicos "aspone", "chepne", "repone" e, mais recentemente, o "prepone" - presidente de porra nenhuma.
Há outros palavrões igualmente clássicos.
Pense na sonoridade de um "Puta-que-pariu!", ou seu correlato "Puta-que-o-pariu!",falados assim, cadencialmente, sílaba por sílaba...
Diante de uma notícia irritante qualquer um "puta-que-o-pariu!" dito assim te coloca outra vez em seu eixo. Seus neurônios têm o devido tempo e clima para se reorganizar esacar a atitude que lhe permitirá dar um merecido troco ou o safar de maiores dores de cabeça.
E seria tremendamente injusto não registrar aqui a expressão de maior poder de definição do Português Vulgar: "Fodeu!".
E sua derivação mais avassaladora ainda: "Fodeu de vez!".
Você conhece definição mais exata, pungente e arrasadora para uma situação que atingiu o grau máximo imaginável de ameaçadora complicação?
Expressão, inclusive, que uma vez proferida insere seu autor em todo um providencial contexto interior de alerta e auto-defesa.
Algo assim como quando você está dirigindo bêbado, sem documentos do carro e sem carteira de habilitação e ouve uma sirene de polícia atrás de você mandando você parar:
O que você fala?
"Fodeu de vez!".
Sem contar que o nível de stress de uma pessoa é inversamente proporcional à quantidade de "foda-se!" que ela fala.
Existe algo mais libertário do que o conceito do "foda-se!"?
O "foda-se!" aumenta minha auto-estima, me torna uma pessoa melhor. Reorganiza as coisas. Me liberta.
"Não quer sair comigo? Então foda-se!".
"Vai querer decidir essa merda sozinho(a) mesmo? Então foda-se!".
O direito ao "foda-se!" deveria estar assegurado na Constituição Federal.
Liberdade, igualdade, fraternidade e foda-se!
Grosseiro, mas profundo...
Pois se a língua é viva, inculta, bela e mal-criada, nem o Prof. Pasquale explicaria melhor.
"Nem fodendo..."



4 August 2011

AMOR ou PAIXÃO?

AMOR ou PAIXÃO?




                 por Ana Veet Maya

1 August 2011

INVEJA BOA?

por Ana Veet Maya, foto: gifsparascrap.com