19 November 2010

O RISO E O NOSSO COTIDIANO

por Ana Veet Maya


Acordei depressa e com um sentimento estranho por causa daquele sonho que me tirou o ar: um navio, uma trombada, uma sensação de medo e desconforto.

Não achava minha filha e nem minha avó. Passei o sonho inteiro procurando as duas, subindo e descendo em elevadores diferentes e futuristas. O restaurante do navio era móvel e chegava até nós como se fosse um disco voador.

Ri do meu sonho com cara de pesadelo:
- E saber que não uso nenhuma droga alucinógena! Pensei. Imagine se usasse!

Levantei com muita preguiça e completamente indisposta.
Dor de garganta.
Olhei no espelho e me senti uma bruxa: três horas na cabeleireira e meu cabelo com aparência de vassoura!

Fiquei tão revoltada que nem quis fazer café.

Coloquei o primeiro vestido com cara de dia de sol e desci pra um café rápido na padaria.

Percebi o movimento intenso de clientes, todos com pressa.

Apenas dois funcionários atendendo. Ambos confusos, atrapalhados com os pedidos.

Uma moça sorridente chegou com seu sorriso e seu vestido curto.

Isso bastou pra desnortear ainda mais os dois atendentes.

Sorri e observei o quanto vale um sorriso e um vestido, fato que muitas mulheres já se esqueceram. Uma pena!

- Um pão sem miolo e um pingado, por favor! Pediu a moça.

- Salta pra freguesa um pão sem juízo e um pingado.

Morri de rir ao ouvir a expressão! Amo o nosso povo brasileiro e tudo que inventamos.
O pão sem miolo virou pão sem juízo!
Bom marketing! Pensei.

Pedi uma fatia de panetone pequena.

O rapaz me trouxe meio panetone.

Precisei explicar pra ele o tamanho de uma fatia.

Vi outro freguês limpando a própria mesa, recolhendo os pratos e xícaras do freguês anterior e trazendo tudo pro balcão.

- Nascimento! Esse café vai ficar caro pra você!

0 garçom sorriu e agradeceu a ajuda do freguês antigo.

Garçom com nome de PM da Tropa de Elite!
Ri mais uma vez.
E sorrindo sai da padaria.

Parei na faixa de pedestre, aguardando uma brecha no trânsito infernal, pra poder atravessar a rua.

-Todo mundo muito louco nesta sexta-feira! Pensei.

Quando finalmente ia conseguir atravessar, um motociclista avançou a faixa.

Parou exatamente em cima dela e bem em frente a mim. Olhou-me bem profundamente e sorriu. Um sorriso pleno e demorado.

Não entendi absolutamente nada.

Mas quem precisa entender um sorriso?

Sorri em resposta e alegre atravessei a faixa pensando no gato. Cantarolando fui comprar a areia pra minha gata.

Ao sair do supermercado, vi uma cadeira de quick massage instalada.

- Nada como uma massagem relaxante ao entrar ou sair do supermercado!

Achei a idéia original e aproveitei o brinde.

Sai ainda mais sorridente do supermercado e percebi que minha garganta já doía menos.

Caminhando, entrei naquela loja bacana que vende vestidos estilosos.

Ouvi a conversa das balconistas:

- Não faça isso não!
- Homem não agüenta ficar sem mulher tanto tempo!

- Mas foi o pastor que mandou!

Lembrei-me do salmo: - O Senhor é meu pastor, nada me faltará!

Prestei mais atenção na conversa e entendi.

A mocinha já vivia com o rapaz há quatro anos e agora queria se casar na Igreja.

Para poder casá-la, o pastor mandou o casal se separar de “corpos” por quatro meses.

Só assim consentiria em casá-los na “Igreja”.

Fiquei pensando e analisei o conselho da amiga:

- Não faça isso! Você vai ficar cheia de galhos na cabeça!

Ri muito.

Não sei se ela seria traída num período de quatro meses de separação.

Mas eu não concordava com a saída proposta pelo pastor.

Sorri internamente e pensei com meus botões que um amigo vale ouro!

Voltei cantarolando e muito leve pra minha casa.

Antes de começar a escrever abri meu Facebook e li os pensamentos dos meus amigos da rede social.

Um se queixava de dor. Outro se queixava que estava sem dinheiro. Outro se queixava que estava mais gordo. Outro postou a foto da balada. Outra mudou o status de solteira pra “é complicado”...

Fiquei pensando o que seria melhor, ser solteiro e sozinho ou viver um relacionamento muito estafante e complicado?

Li um convite pra festa do findi.
- As redes sociais on line são uma grande terapia! Pensei.

Amanhã começará novo curso Pra Você Falar Bem.

Estou completamente focada nele.

Testei minha garganta e senti que engoli muito bem. Ela já não está raspando.

Meia hora de caminhada e sorriso e eu já me sinto nova outra vez.

Não pude deixar de entender o poder do sorriso no nosso cotidiano.

E sorrindo, comecei a preparar a aula de amanhã.

Ana Veet Maya, arte-educadora, massoterapeutaPraça Dr. Barão de Itaqui, 679D- Tatuapé - São Paulo/SP
55 11 2619-3241 e 55 11 2619-3240
NIVIA ESTÉTICA & DAY SPA

5 comments:

  1. É Anita... caminhando na minha hora de almoço estava pensando mais ou menos nessa perspectiva... Em quanto deixamos de perceber a vida, as oportunidades que o universo nos oferece por estarmos focados apenas num ponto, numa idéia fixa, numa impressão ou sensação. Se nos permitirmos entrar num estado de contemplação, mais amplo, com certeza passaremos a enxergar o que sempre esteve ali... as pessoas que agente precisava encontrar, as respostas para as nossas indagações, a chance que esperávamos, o cara gato no semáforo..rsrsrs, que antes, por estarmos fechadas, focados apenas na nossa "santa presença" não notamos...
    Deixamos de sentir, ser felizes, perceber os sorrisos, o sol, a harmonia da vida por não "termos" naquele velho ditado Crístico: olhos de ver e ouvidos de ouvir...
    A tua história foi a coincidencia significativa que faltava para entender as "minhocas" de minha sexta-feira controversa...rsrs
    Beijos lindaaa e obrigada por suas reflexões!!
    Yve

    ReplyDelete
  2. Veet,
    adorei, menina!

    Ainda ontem estava falando com um amigo sobre o qto gosto de café da manhã na padaria!
    Teu texto trouxe-me largos sorrisos! Obg!

    bom dia e belo findi pti!
    beiJOYs saudOSOS

    ReplyDelete
  3. Sorrir!!!!!! é o melhor remédio!!!!adorei Ana...Ah to loka pra fazer o curso com vc!! Janeiro tem outro neh?!! espero muito estar lá...bjokasssss.

    ReplyDelete
  4. abraços carinhosos a todos e grata pelos comentários!

    ReplyDelete