14 September 2009

DE BEM COM NOSSA HUMANIDADE

por Ana Veet Maya

As perdas que temos ao longo da vida e o sofrimento que acumulamos, podem desenvolver em nós uma necessidade imensa de fazer tudo sozinho, mostrar ao mundo inteiro que somos autosuficientes e não precisamos de mais ninguém porque nos "bastamos".

Independência, autosuficiência, autonomia, são de fato qualidades. Mas não devem ser barreiras para a comunicação e o ato de compartilhar, socializar.



Num mundo de competição total, o valor do outro pode te causar ciúmes, inveja, sentimento de inferioridade. E se o outro souber vender melhor suas próprias " qualidades", você poderá perder o seu lugar para ele... Parece mesmo que os que brilham mais,conseguem as melhores posições e aparentemente, são sempre os mais bem sucedidos em tudo.

E é nessa base de competição que pode se desenvolver o nosso orgulho, como uma forma de auto-defesa.

Quando temos dificuldade em delegar, partilhar, compartilhar e queremos fazer sempre tudo sozinhos, sem pedir ou mesmo aceitar ajuda, buscamos superar os nossos limites e nos sentir  fortes.

E queremos essa sensação de força, exatamente porque por dentro, talvez nos sintamos ainda fracos, frágeis, vulneráveis.

O que já é, não precisa ser testado nem provado. Já é. Fim.

O orgulho vem disfarçado com outros nomes : eficiência, certeza, firmeza, independência, competência . . .

Você pode ser bom e fazer bem e ao mesmo tempo, compartilhar, delegar, dividir, vibrar e estimular o brilho do outro também! Não precisa ocupar nenhum pódio. Não precisa competir.

Quem sabe possamos parar um pouco e pensar em :

1- Não dar tanta importância para aquilo que enxergamos como verdade. Tudo e nada é verdade. Podemos abrir espaço para outros caminhos e formas de pensamento e ação.

2- Ter consciência dos fatos, mas sem o julgamento eterno, "isso é certo", "isso é errado". Haja espaço para a dúvida!

3- Parar com o sentimento de fatalidade. Tudo é mutável e passageiro.

4- Não ter o foco apenas no problema e no erro. Vamos focar os acertos.

5- Desenvolver a coragem para mudar, nos libertar de padrões de comportamento viciosos e poder testar conceitos novos .

Toda vez que fazemos isso, estamos enfrentando o orgulho, diminuindo o nosso ego e aceitando a nossa HUMANIDADE. E aceitar nossa HUMANIDADE significa :

1- PODER ERRAR, porque errar é DE FATO, humano

2- PODER SOFRER, CHORAR, sentir RAIVA e todos os outros sentimentos que todos os HUMANOS sentem, sem que isso nos deprecie, nos torne mais fracos ou menos valorosos que os outros.

3- PODER SENTIR PREGUIÇA, DESÂNIMO, tristeza, sem receber de imediato um rótulo de doente mental ou maluco beleza, porque todos podemos nos sentir melhor ou pior num determinado dia ou situação. Nada é mesmo permanente.

4- E por fim, PODER NÃO SER PERFEITO, porque afinal, a perfeição é DIVINA . . . ( imaginou sua vida sem os desafios. sem as diferenças para superar? Seria muito monótono!)

Ao aceitar a nossa humanidade, sofremos muito menos, nos tornamos mais saudáveis e felizes.

Se somos mesmo feitos a imagem e semelhança de Deus, a perfeição chegará a seu tempo.

Fiquemos portanto de bem com a nossa humanidade!

( agradeço a inspiração do texto, ao chat profundo e enriquecedor com o amigo Camilo do México )

1 comment:

  1. É, penso essa a receita do sucesso...da nossa realizãção pessoal.
    acho que o gde lance é viver de tal forma a nao nos arrependermos de naaaaaaaada.

    bjssss;

    ReplyDelete